Mudanças são inexoráveis

Mudança é uma das coisas mais frequentes nesses dias que vivemos. Mudança é tão frequente, que já existe até uma nova disciplina nas empresas: “Gestão de Mudanças”. Gestores que sabem que a mudanças são inevitáveis, criaram unidades organizacionais para entender as necessidades de mudanças e implementá-las de forma organizada.

Essas mudanças também impactam o ser humano, especialmente os profissionais que desejam garantir seus empregos. Mudanças podem fazer desaparecer profissões, funções, cargos, processos de negócio, produtos e até empresas.

Diante das mudanças você pode fazer somente duas coisas: deixá-las passar ou aproveitar-se delas. Se você deixá-las passar, em algum momento do seu futuro, irá sentir as consequências de não ter aproveitado a onda daquela mudança. Você até poderá negar, mas intimamente irá pensar “eu poderia ter tirado vantagem daquela mudança. Perdi aquela oportunidade. Agora é tarde!”.

A grande maioria das pessoas sentem a presença das mudanças, mas não agem porque não querem sair da sua “zona de conforto” e afirmam: “Por que devo mudar? Estou bem, ganho bem, tenho um excelente emprego, a empresa gosta do meu trabalho e depende de mim. Acho que conquistei a minha estabilidade”.

O termo “mudança”, neste contexto, é algo cobrado pela sociedade. Cobra-se novos produtos, qualidade, pontualidade, redução de preços, enfim, cobra-se atendimento das necessidades dos consumidores, sejam através de produtos ou de serviços.

A concorrência faz com que as empresas busquem atender às necessidades dos seus clientes. O não atendimento é fatal para qualquer empresa, independente do seu porte e da tradição no mercado. O problema é que para obter as vantagens competitivas suficientes para sobreviver no mercado serão necessárias fazer mudanças na sua cadeia de valor, nos processos de negócio, adotar novas tecnologias, alterar alguns sistemas legados e adquirir novos sistemas corporativos, compondo assim uma nova estrutura Arquitetural Corporativa, tais como Arquitetura de Negócios, Arquitetura de Sistemas e Arquitetura de Tecnologia. Com isso, políticas internas (regras de negócio) são substituídas por outras aderentes às mudanças implementadas. Esse conjunto de mudanças fazem com que unidades organizacionais, funções de negócio e cargos desaparecam de um dia para o outro. Muitos são demitidos e outros (devidamente selecionados de acordo com o perfil) são convidados a ocuparem outras funções e cargos. Se esses não se adaptarem, serão substituídos. Mudanças são inexoráveis e cruéis.

Essas mudanças necessitam de profissionais com novas habilidades, sejam eles funcionários ou terceiros contratados, para implementar as mudanças e mantê-las no seu cotidiano. Mudanças trazem consigo uma enorme fome por profissionais altamente especializados para dar sustentação ao novo cenário implementado, ou seja, novos processos, novas tecnologias e novas políticas. Isso é uma enorme oportunidade para acelerar a carreira de qualquer profissional. Quem surfar com sucesso nessa onda terá muito sucesso e conquistará elevados cargos e consequentemente alta remuneração.

Por outro lado, é muito doloroso para aqueles que não surfaram aquela onda da mudança. É muito triste presenciar profissionais demitidos porque não perceberem a necessidade de mudanças em si próprio, em tempo hábil. Geralmente mudanças requerem muito força para quebrar a inércia mental. Para tal é necessário como pré-requisito uma mudança do mindset (mentalidade). Isso será assunto de outro artigo. Aguardem.

A mudança é uma tendência que cresce de uma forma exponencial porque envolve Tecnologias voltadas para sistemas de informação, Business Intelligence, big data, automação industrial, robótica, inteligência artificial, telecomunicações, redes de computadores, nuvem, Internet, especialmente a Internet das Coisas. Tudo isso faz parte de um pacote de mudanças que ocorrem ao mesmo tempo de forma bastante ágil. Tem que ser bastante ágil porque a concorrência também está trabalhando para obter vantagens competitivas. O tempo é uma dimensão extremamente importante para a sobrevivência de um negócio e das pessoas de forma geral.

Há poucos anos atrás os cursos de MBA focavam somente em disciplinas administrativas. Hoje, os cursos de pós-graduação lato sensu abordam Gestão de Tecnologia da Informação, Engenharia de Software, Arquiteturas Corporativas, Gestão de Informações Estratégicas, Análise de Negócios, Business Process Management (BPM), Business Intelligence (BI), BigData, etc. Além disso, o número de cursos de extensão universitária se multiplicou oferecendo um leque de assuntos altamente especializados focados em aspectos que os cursos de pós-graduação não chegam a abordar na profundidade necessária. Para melhorar ainda, os cursos agora são oferecidos online, democratizando a educação em todas as áreas em todo território nacional a custo bem reduzido, facilitando sobremaneira a especialização dos profissionais brasileiros e de todo o mundo.

Para concluir gostaria de dar algumas sugestões para serem realizados em 2017 dirigidas àqueles que estão iniciando sua carreira profissional, àqueles que já são profissionais experientes, mas temem ficar obsoletos, e também para os que querem mudar de profissão, independentemente da idade.

  1. Faça anualmente um plano estratégico para sua vida pessoal e profissional.
  2. Esteja atento às mudanças e não percam a oportunidade para se “reinventarem”.
  3. As adversidades são oportunidades para mudar e se “reinventar”. É como se fosse passar por uma metamorfose. Inicie uma nova fase. Mas seja cuidadoso. Mude para algo próximo do que você fazia e que pode aplicar parte dos seus conhecimentos já obtidos. O que faltar, busque em cursos de extensão universitária. Nem sempre será necessário fazer um MBA ou qualquer curso de longa duração. Talvez o que você precisa seja encontrado em cursos de pequena duração e de alto nível de especialização. Para uma tomada correta de decisão requer que você saiba exatamente o que você quer!
  4. Seja dono do seu perfil. Construa sua carreira. Não confie no plano de carreira da empresa que você trabalha.
  5. Seja executivo de si mesmo. Desenvolva um posicionamento profissional e divulgue nas redes sociais.
  6. Mantenha sua network relacionando-se frequentemente com todos para não ser esquecido.
  7. Leia tudo sobre sua profissão. Leia bons livros e artigos escritos por autores que tenham autoridade no assunto. Não restrinja suas fontes bibliográficas às revistinhas vendidas em bancas de jornal.
  8. Desenvolva uma visão pessoal sobre os fatos que ocorrem e dizem respeito a sua área de atuação.